Como o home office ajuda na prevenção do vírus COVID-19?

Nas últimas semanas duas palavras se tornaram destaque em todo o mundo: home office e COVID-19, o Coronavírus. Com esta pandemia se alastrando pelo planeta, cada vez mais pessoas são obrigadas a se isolar e fazer quarentena para na prevenção desta doença.

 

Como o Isolamento pode combater o vírus?

Por ser um vírus novo, ainda não há vacina para ele. A estimativa é que fique pronta até o fim de 2020 ou início de 2021. Também ainda não há consentimento sobre o melhor remédio para tratar a doença. Por isso, para uma boa parte dos casos, principalmente em idosos, pessoas com baixa imunidade e doenças pré-existentes, este vírus pode ser mortal.

Sua taxa de transmissão também é elevada, inclusive com o vírus podendo ser transmitido por pessoas assintomáticas. E aqui temos o ponto mais preocupante dessa pandemia, que levou países como China, Itália e Espanha a uma sobrecarga no sistema de saúde, contando diversas mortes.

Com esta doença se espalhando muito rapidamente e lotando os leitos dos hospitais, muitos óbitos poderão ocorrer em um curto espaço de tempo. No entanto, há uma saída simples para diminuir o número de infectados e conter os prejuízos: isolamento.

Ao colocar as pessoas em quarentena diminuímos drasticamente o contato social e a transmissibilidade do vírus. Dessa forma, menos pessoas pegam a doença ao mesmo tempo e o sistema de saúde pode atender a todos.

Por este motivo, diversas empresas ao redor do mundo estão adotando o home office como alternativa para combater o Coronavírus e, claro, manter a produtividade, evitando um colapso econômico ainda maior.

Home office e suas vantagens

Neste momento de crise pandêmica a vantagem do home office é nítida. Ele evita o contato entre as pessoas, diminui a propagação do vírus e mantém alguns negócios ativos, proporcionando que empregos sejam mantidos e que a roda da economia continue girando, ainda que devagar.

Apesar da explosão dessa modalidade de trabalho ocorrida nas últimas semanas, já havia um forte aumento do número de pessoas que desempenhavam suas funções em suas residências.

Segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios (PNAD) Contínua Anual: Características Adicionais do Mercado de Trabalho 2012-2018, divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) em dezembro de 2019, entre 2016 e 2017, o número de trabalhadores cujo local de trabalho era o domicílio aumentou 16,2%. Entre 2017 e 2018, a expansão foi maior, atingindo 21,1%.

Esse número cresce a cada ano por vários motivos. Confira alguns:

Economia para empresa e para o colaborador

Pense no trajeto que você faria até o seu local de trabalho. Sairia de casa, pegaria transporte público ou seu carro, gastando com a locomoção. Em grandes centros, talvez seja necessário gastar com estacionamento. Você também pode ter que desembolsar mais um dinheiro para almoço, café e no fim do dia voltar para casa. Tudo isso gera um gasto que pode ser bastante significativo ao fim do mês.

O empregador também precisa arcar com diversas despesas. É necessário preparar o local de trabalho, proporcionar ferramentas, softwares, segurança, além de todas as obrigações trabalhistas, impostos e etc.

Ao optar pelo teletrabalho alguns destes custos podem ser minimizados. O colaborador evita sair de casa, gastar com locomoção, alimentação e se arriscar nas ruas durante o trajeto.

O empreendedor que proporciona o emprego pode ter economia de energia, água, materiais de escritório, auxílios para transporte, alimentação, etc.

Dessa forma, em determinados casos, o home office acaba sendo vantajoso para ambas as partes, principalmente pelo motivo a seguir.

Mais qualidade de vida e produtividade

Segundo uma pesquisa realizada pela Catho, mais de 70% dos trabalhadores que fazem home office consideram que houve um aumento em sua produtividade enquanto adotaram a prática do teletrabalho.

Se houver comprometimento do colaborador, o home office pode ser muito produtivo. É possível trabalhar com mais tranquilidade, num ambiente confortável, seguro e até por mais tempo.

Muitos estudos, trabalhadores desta modalidade e gestores afirmam que ao executar suas atividades em casa, a pessoa tem mais flexibilidade para ajustar seus horários, assim, pode ter tempo para curtir a família, fazer exercícios, descansar, se alimentar melhor.

Tudo isso representa mais qualidade de vida e se reflete na produtividade. Um colaborador feliz trabalha melhor. Fato!

Como o home office pode ajudar laboratórios de análises clínicas?

Os laboratórios de análises clínicas são serviços essenciais diante desta pandemia do Covid-19. Através deles é que são feitos os testes, análises e diagnósticos que indicam quem são as pessoas infectadas pelo novo Coronavírus.

Até mesmo durante a quarentena imposta em alguns lugares, laboratórios seguem atuando em regime extraordinário. Claro que, para evitar riscos de contágio, além do reforço às medidas de limpeza, muitos adotam o home office para algumas funções específicas.

Trabalhadores de áreas administrativas, por exemplo, podem fazer suas obrigações de casa. O atendimento também pode ser diminuído, evitando aglomerações nas clínicas.

Ao contar com um sistema de gestão eficiente para uma clínica, é possível usar o software para substituir o atendimento presencial. O Scola, por exemplo, é uma aplicação que permite que os laboratórios façam boa parte do atendimento online.

Através do Scola Web todos os resultados de exames podem ser consultados de forma remota, online, de um computador, tablete ou celular, com total segurança e praticidade.

São pequenas vantagens como essa que fazem a diferença no combate contra o Covid-19. A melhor prevenção neste momento é ficar em casa. É simples e muito efetivo.

Se mais empresas tiverem a oportunidade de continuar prestando seus serviços, mas evitando contato, disponibilizando ferramentas online para facilitar a vida das pessoas, em breve vamos superar esta crise sem grandes perdas e com muitos aprendizados.

Comentários (0)

500 caracteres restantes

Cancel or